Um blog feito por homens

Arquivo da categoria: Histórias e contos

Essa aconteceu com um amigo, tempos atrás. Eu nem lembrava da história, mas ontem vi essa imagem, lembrei do ocorrido e resolvi compartilhar. Ele estava saindo com uma menina que tinha aparelho nos dentes e estava adorando sair com ela. Sabiamos também que ele adorava uma chupada, acho que até mais que sexo mesmo. Enfim, estavamos na sala e ele foi para o quarto com ela, como ela era uma menina um pouco tímida, provavelmente uma rapidinha estaria fora dos planos dela para aquele momento, mas um boquetinho seria ideia, sem barulho, sem muitos alardes. Ele também era um cara que gostava de deixar suas partes aos natural, sem muitos tratos com o pelo pubiano. Agora imagina a cena: Estavamos, eu e mais uma amigo na sala, quando do nada meu amigo grita dentro do quarto. Bom a cena depois disso fica por conta da imagem abaixo.

969302_581074878631864_673772268_n


Um conto onde uma mulher da alta sociedade, extremamente preconceituosa e desagradável, com tendencias nazistas, assassina, tenta assassinar e sequestrar dezenas de pessoas…

Do outro lado, uma mulher humilde, batalhadora, que fica milionária por acaso. Sempre ajudando todo mundo, um anjo na Terra.
No fim da novela, a assassina acaba a última cena da trama fugindo, e dando risadas da outra mulher, a batalhadora, que com uma chave de fenda na mão, persegue o carro da primeira.
Mensagem nada subliminar: Quem tem berço pode fazer o que quiser, maldades, tudo que estiver ao seu alcance para satisfazer seus objetivos pessoais. No fim, dará risada de tudo e não pagará por seus crimes.
Mensagem nada subliminar 2: Quem vem da pobreza pode ganhar rios de dinheiro, mas sem “berço”, será sempre uma “pobretona, sem classe ou educação”, fadada a ser humilhada por que tem “classe”.
Filme de terror? Comédia?
Não, novela das oito.
Parabéns TV Globo, desta vez você se superou.

“Acostumados com o poder, manipulando mentes….
Fique sabendo, cumpádi, comigo é diferente…”

Thiago Manga


Para ter um coração saudável é preciso comer bem, beber pouco, controlar o estresse, não fumar, fazer exercícios moderados e, para quem pode, praticar muito sexo, de preferência com um parceiro estável, de acordo com o médico espanhol Josep María Caralps.

Essa é a fórmula “não infalível” do doutor Caralps para manter “em bom estado” a máquina perfeita que é o coração, que bate cerca de 100 mil vezes por dia e movimenta 10 mil litros de sangue. Um órgão também emocional, “muito ligado aos sentimentos mais íntimos”, e que foi chamado por Aristóteles de “santuário da alma”.

Os olhos e as mãos deste médico espanhol que tem quatro décadas dedicadas à cirurgia cardíaca viram e tocaram milhares de corações. Corações doentes e muito doentes, velhos e jovens, grandes e pequenos e de pessoas de todo tipo de raças, o que o permite falar com autoridade de “nosso músculo mais prezado”, vital e carismático.

Josep María Caralps teve a honra de fazer o primeiro transplante de coração bem sucedido na Espanha, no dia 8 de abril de 1984, uma data que nunca esquecerá.

Tanta sabedoria acumulada sobre o coração o levaram a escrever “Super Corazón” (“Super Coração”, na tradução livre), no qual descreve suas experiências e conhecimento.

O livro, que chega neste domingo às livrarias na Espanha, coincidindo com a celebração do Dia Mundial do Coração, é um guia “singelo e ameno” para ajudar a conhecer como trabalha e porque o coração adoece, além de ensinar a mantê-lo em forma.

Na conversa com o profissional da medicina, a reportagem ouvi repetidamente a palavra moderação: “Podemos fazer de tudo, mas com moderação, precisamos aprender que a degustação de um cigarro após uma boa refeição, uma taça de vinho no jantar ou no almoço, não pode se transformar em dependência.”

“Temos ao nosso alcance coisas que fazem nossa vida melhor. Mas precisamos ser capazes de discernir sobre o que é bom e o que é ruim. A saúde não está separada do prazer. Ao contrário, se não há prazer não há saúde”, considerou.

Caralps fala em educar desde a infância como forma de prevenção e criar bons hábitos. “Ensinar às crianças que fumar é prejudicial, que o álcool pode ser agradável, reconfortante e, em algumas ocasiões, até necessário, mas sempre, sempre com moderação, com muita moderação”, detalhou o médico.

“Não nos preocupamos com isso, porque achamos que podemos controlar nossos vícios. Mas, na realidade, não podemos. Ser moderado em tudo é quase impossível. Daí a necessidade de aprendermos desde pequenos”, afirmou, acrescentando que as escolas também devem ensinar a “controlar mentalmente as emoções, a sermos mais humanos, termos mais cuidado com nós mesmos e com os outros”.